lafepe-medicamentoslafepe-medicamentos

Lafepe comemora 50 anos

50 anos Lafepe 115

O evento aconteceu no dia 08 de junho, no pátio do Laboratório Farmacêutico do Estado de Pernambuco Governador Miguel Arraes. Os anfitriões da cerimônia: o Secretário Estadual de Saúde, Dr. José Iran Costa Júnior, e o presidente do Lafepe , José Fernando Uchôa, receberam entre os convidados D. Magdalena Arraes, viúva do idealizador do Lafepe, Miguel Arraes de Alencar.

Os convidados acompanharam a inauguração da galeria dos ex-presidentes da empresa e a reinauguração da Farmácia de Dois Irmãos. Essa unidade é modelo na implantação do projeto de requalificação das 41 farmácias da rede, com reforma predial e reforço na cesta básica de produtos. O evento contemplou algumas homenagens. O Secretário de Saúde, Dr. José Iran, recebeu do presidente do Lafepe uma serigravura assinada pelo médico e pintor André Valença. A obra reproduz o laboratório pernambucano e outros exemplares foram presenteados aos ex-presidentes da Casa e aos dois colaboradores com mais tempo de empresa.

50 anos Lafepe 156

HISTÓRIA DO LAFEPE – O marco zero é de 27 de maio de 1965. O laboratório representa a realização do sonho de um homem público que tanto se preocupava com o acesso dos mais pobres aos medicamentos. O então governador Miguel Arraes de Alencar pensou o Lafepe, assinou acordo para viabilizá-lo, em 1963, mas não teve o direito de vê-lo nascer porque foi deposto no regime militar de 1964.

Cinquenta anos de história representam uma escalada de ações nas áreas que tornaram o laboratório pernambucano referência. Destaque para a pesquisa, desenvolvimento e produção de remédios para as políticas de saúde pública e para as farmácias da rede. E por falar nessas unidades que servem à população com preços baixos, hoje são 41 em todo o estado e figuram como modelos de farmácias populares. Ao longo desse tempo, o laboratório pernambucano foi administrado por 17 gestores.
Alguns produtos que hoje saem do parque fabril Lafepe são de extrema importância no tratamento de doenças negligenciadas e de alto risco. O laboratório pernambucano produz o Benznidazol: usado no Brasil e em outros países para o tratamento da Doença de Chagas. Também saem de uma das nossas fábricas, a dos antirretrovirais, alguns medicamentos que compõem o coquetel para tratamento da Aids.
As políticas de saúde pública e as farmácias da rede ainda oferecem os óculos Lafepe. Estão disponíveis armações de acetato, metal fechado e fio de nylon. As lentes são produzidas na Divisão de Ótica do laboratório e estão disponíveis nas opções: multifocal, bifocal e visão simples. Os preços dos óculos variam de R$ 45,60 a R$ 121,00.
Atualmente, a empresa vive período de transformações. A nova logomarca representa identidade visual modernizada e em sintonia com a missão social. As farmácias estão em processo de requalificação. As instalações passam por reforma para oferecer mais qualidade, tanto aos colaboradores, quanto às pessoas que buscam os produtos Lafepe. A cesta básica de medicamentos também está sendo incrementada.
De acordo com o diretor-presidente do Lafepe, José Fernando Uchôa, projeta-se para o futuro a ampliação de parcerias, com universidades e outros laboratórios, em pesquisa, desenvolvimento e produção de medicamentos. O investimento na divisão de ótica também é outro objetivo da atual gestão; focando na capacitação dos profissionais do setor, modernização dos equipamentos e reforço na produção.
O Lafepe conta, atualmente, com mais de 600 colaboradores. É patrimônio do povo pernambucano, com história pautada no bem-estar social.