lafepe-medicamentoslafepe-medicamentos

GLICOSE REIDRATANTE

Identificação do Produto:

Formas Farmacêuticas e Apresentações:

Solução injetável
a 5%:

Caixa com 20 bisnagas de 500mL.

Composição: Cada bisnaga contém:
Glicose ………………………………………… 25mg
Veículo adequado q.s.p 500mL

Solução injetável
a 50%:

Caixa com 100 ampolas de 10mL

Composição: Cada ampola contém:
Glicose …………………………………………. 5mg
Veículo adequado q.s.p 10mL

Informações Técnicas:

A Glicose é uma das substâncias básicas dos seres vivos. Constituinte normal do sangue humano, proveniente de absorção alimentar no tubo digestivo, ou por decomposição do glicogênio, sua forma de armazenamento do organismo.

Farmacocinética:

Uma vez dentro da célula, a Glicose é prontamente fosforilada, formando a Glicose-6-fosfato, que logo se polimeriza em glicogênio, ou é catabolizada. A Glicose pode ser ainda convertida em gordura, através da AcetilCoA. Requer por isso, constante equilíbrio entre as necessidades metabólicas do organismo e sua oferta alimentar. O controle dos níveis glicêmicos é complexo e envolve mecanismos fisiológicos, muitas enzimas e certamente, fatores hereditários e contingências ocasionais, não se podendo falar em farmacocinética nos mesmos moldes usados para os fármacos em geral.

Mecanismo de Ação:

A Glicose é um monossacarídeo normalmente absorvido no Aparelho Digestivo, sendo o principal resultante da digestão dos polissacarídeos. A estimulação do transporte da Glicose no músculo e tecido adiposo é um componente crucial da reposição fisiológica da insulina. A Glicose entra nas células por difusão facilitada, através de transportadores, sendo alguns destes, integrantes da membrana e envolvidos na difusão do Na+ nas células. A difusão facilitada da Glicose dentro da célula por um gradiente, é assegurado pela fosforilação, reação enzimática, que se traduz na conversão de Glicose em Glicose-6-fosfato.

O uso intravenoso de Glicose se constitui numa fonte alternativa de calorias para pacientes que estão incapacitados de obtê-las através da alimentação. Fornece 4 cal/g, para aproveitamento imediato.
Soluções a 5 _ 10 % são isotônicas e podem ser infundidas em vasos periféricos. Concentrações superiores fornecem maior densidade calórica, mas são irritantes para os tecidos e só podem ser feitas através de catéter central, ou então, devem ser diluídas em outros líquidos de menor tonicidade.

Indicações:

O uso parenteral de soluções de Glicose está indicado nos casos de impossibilidade de ingestão oral e como suplemento alimentar, visando reposição e manutenção calórica. Eventualmente, pode ser utilizada como veículo para diluição de medicamentos compatíveis.

Contra-Indicações:

Está formalmente contra-indicada em casos de coma hiperglicêmico, hemorragia meningea ou inrtacraneana, desidratação aguda não compensada e delirium tremens. A Glicose é contra-indicada ainda, na gravidez ou no coma diabético, enquanto o açúcar sangüíneo é excessivamente alto, e na síndrome da má-absorção Glicose-galactose.

Precauções:

Deve-se considerar para fins de quantidade de ingesta da Glicose, dados clínicos e laboratoriais, como níveis glicêmicos e glicosúria. Outro aspecto refere-se à suspensão abrupta de tratamentos prolongados, condição em que se elevam os níveis de insulina circulante, podendo desencadear uma hipoglicemia momentânea pós suspensão.

Reações Adversas:

A infusão muito rápida de Glicose pode levar à síndrome hiperosmolar, com quadro clínico de confusão mental e inconsciência, especialmente em pacientes portadores de uremia crônica.

Soluções concentradas, quando usadas em vasos periféricos, podem dar origem a tromboflebites ou tromboses. No tratamento do edema cerebral, pode ocorrer agravamento devido ao efeito rebote.

Posologia:

A concentração e o volume a serem utilizados devem ter por base, sinais clínicos, presença de patologias, perdas orgânicas, além de dados individuais como peso, idade, etc. Em qualquer caso, aconselha que a velocidade máxima de infusão deva ficar em torno de 0,5 g/Kg de peso/hora.

Superdose:

A infusão muito rápida de Glicose pode ocasionar distúrbios neurológico com depressão e coma, devido aos fenômenos de hiperosmolaridade, principalmente em portadores de nefropatias crônicas.

Similares:

Glicose de vários laboratórios.