lafepe-medicamentoslafepe-medicamentos

HIDROCLOROTIAZIDA

Identificação do Produto:

Formas Farmacêuticas e Apresentações:

Comprimido: Caixa com 50 envelopes com 10 comprimidos.
Composição: Cada comprimido contém:
Hidroclorotiazida ……………………………. 50 mg
Excipiente adequado q.s.p. 1 comprimido

Informação Técnicas:

A Hidroclorotiazida pertence à classe dos diuréticos tiazídicos, que curiosamente foram sintetizados por acaso, quando se tentava aumentar a potência dos inibidores da anidrase carbônica. Constatou-se que a urina dos pacientes tratados possuia altos teores de íons cloro, o que naquela época era uma resposta um pouco diferente dos diuréticos convencionais e portanto, estes novos compostos representaram uma preciosa descoberta para a medicina.

Farmacocinética:

A Hidroclorotiazida é bem absorvida pelo trato gastrintestinal, sendo a absorção da ordem de cerca de 60% pela via oral. Sua excreção renal, é cerca de 95% de forma inalterada e a mesma se encontra relativamente ligada às proteínas plasmáticas. Sua meia vida normal é de 15 horas, o efeito diurético começa após 2 horas e o efeito máximo é obtido após 4 horas, durando aproximadamente de 6 a 12 horas.

Mecanismo de Ação:

A Hidroclorotiazida atua diretamente sobre os rins, aumentando a excreção de cloreto de sódio e, consequentemente da água.
Além disso, aumenta a excreção de potássio. Seu efeito é atribuido ao bloqueio do co-transporte de Na+ e Cl- eletroneutros, resultando que 90% no sódio filtrado é reabsorvido antes do líquido tubular chegar ao local de ação das tiazidas.

Indicações:

A Hidroclorotiazida está indicada no tratamento de edema associado com insuficiência cardíaca congestiva, cirrose hepática com ascite, síndrome nefrótica, glomerulonefrite aguda e insufiência renal crônica e hipertensão. No caso de hipertensão arterial, pode ser associada com outros anti-hipertensivos.

Contra-Indicações:

A Hidroclorotiazida deve ser bem avaliada na sua relação risco/benefício, nas seguintes doenças; anúria ou disfunção renal grave, diabetes mellitus, gota, antecedentes de hiperuricemia, antecedentes de lúpus eritematoso, pancreatite, hipercalcemia, etc.

Precauções:

A administração de Hidroclorotiazida está ligada à possibilidade de provocar hipopotassemia, portanto pode ser necessário suplementar a dieta com potássio. Pode aumentar a glicemia nos diabéticos e aparecer fotossensibilidade. A hipotensão e hipopotassemia, são mais freqüentes nas pessoas de idade avançada.
Deve ser administrada com cautela em pacientes com disfunção, ou insuficiência hepática. A Hidroclorotiazida atravessa a placenta, portanto a relação risco/benefício, deverá ser avaliada em gestantes, pois os fetos correm risco de trombocitopenias, icterícia fetal ou neonatal. Em função da possibilidade da ocorrência de distúrbios hidroeletrolíticos (hiponatremia, alcalose hipocrômica e hipocalemia), a vigilância periódica dos eletrólitos séricos é recomendada.

Interações Medicamentosas:

Os corticóides, o ACTH e a anfotericina-B podem diminuir os efeitos natriuréticos e diuréticos e intensificar o desequilíbrio eletrolítico.

A Hidroclorotiazida pode elevar a concentração de ácido úrico no sangue, razão pela qual deve ser necessário ajustar a dose de antigotosos (colchicina, alupurinol, probenecida).

O uso simultâneo com amiodarona, aumenta o risco de arritmias associadas com hipopotassemia.

Os efeitos diuréticos da Hidroclorotiazida, são potencializados quando usada com Inibidores da Monoaminooxidase (IMAO).
Aumenta a possibilidade de toxicidade por digitálicos. Junto com o bicarbonato de sódio pode aumentar a possibilidade de alcalose hipoclorêmica.

A Hidroclorotiazida aumenta a glicose no sangue, portanto é necessário regular a dose de insulina e de hipoglicemiantes orais.

Reações Adversas:

A maioria das reações adversas depende da dose e incluem:
vertigens, tremores, cefaléias, parestesias, náuseas, vômitos, anorexia, pancreatite, constipação, leucopenia, agranulocitose, anemia aplástica e hemolítica, hipotensão ortostática (que pode ser potencializada pelo álcool, narcóticos, barbitúricos e fármacos anti-hipertensivos), hiperglicemia, hiperuricemia, glicosúria, distúrbio visual. Nesses casos, é recomendável reduzir a dose ou interromper o tratamento, conforme orientação médica.

Posologia:

Adultos: 25 a 100 mg/dia.

Crianças:1 a 2 mg/Kg/dia a cada 12 horas ou 30 a 60 mg/m2/dia.
A dose deve ser ajustada individualmente, até obtenção de resposta terapêutica adequada.

Superdose:

A ingestão acidental de grandes doses de Hidroclorotiazida, pode ocasionar desequilíbrio no balanço eletrolítico e desidratação.

Similares:

Clorana, Diurepina, Diurezin, Drenol, Esidrix, Natrimax, Neo-Codema, Novohydrazida, Urozide